Assessoria de Imprensa: Manual dos Sete Mandamentos
10 de maio de 2019

Quem, como eu, durante 15 anos, esteve do outro lado do balcão, como comunicador, repórter e colunista de um grande veículo como foi o meu caso na redação de Zero Hora , mesmo sem experiências diretas nesse segmento, acaba entendendo como poucos o que faz ou o que deveria fazer um bom profissional de Assessoria de Imprensa.

Há seis anos à frente da Revista Bá, minha expertise continuou, e o meu relacionamento com colegas jornalistas e assessores de imprensa não pode ser melhor. Muitos, ao longo de tantos anos de relação, tornaram-se amigos particulares. Então preparei aqui, com muito bom humor e boas doses de realidade, o Manual dos Sete Mandamentos do que deve fazer um bom assessor de imprensa. Espia!

1. Crie um fato diferente

Tenha em mente que, se a sua notícia não for relevante ou diferenciada, ela tem tudo para não emplacar em nenhum veículo, com exceção do Facebook, da sua mãe ou da mãe da sua cliente afinal, para as mães tudo que fazemos é relevante.

Vamos a um exemplo: todos os dias, inauguram estabelecimentos comerciais, de pet shops a lojas de roupas, e esse fato por si só não é relevante. Aí está o talento do assessor de imprensa oferecer alguma informação diferente, que faça o jornalista sentir vontade de divulgar a notícia em seus canais.

2. Não seja insistente

Não implore e invoque todos os santos da Igreja Católica para que o jornalista (mesmo que você já tenha alguma intimidade com ele) publique a notícia do seu cliente. Eu, de verdade, nunca me importei em ouvir os mil e um motivos que muitos assessores de imprensa sempre têm para justificar a relevância de seus conteúdos, mas muitos colegas comunicadores simplesmente não têm a menor paciência para atender churumelas diárias e diversas dos colegas, simplesmente os cortando pela raiz. E só de raiva não publicam mais nada, NUNCA! Sim, os jornalistas também podem ser vingativos…

3. Seja educado

Há que se ter bom senso e educação para tudo não ligar em plena hora de almoço ou jantar, tampouco tarde da noite. Se a pessoa não retornar, é conveniente confirmar o recebimento UMA vez. Nada pode ser mais desagradável para um jornalista cheio de prazos e trabalho, muito provavelmente com um salário que não faz jus a tanto esforço, do que atender o telefone diariamente, receber mensagens no WhatsApp ou e-mails do assessor perguntando quando será publicada a pauta. NADA!

4. Não fuxique

Não se envolva no tititi e na bobagem que é falar mal dos colegas. Que fulano só divulga notícia do ciclano, etc., etc., etc. Isso é uma bola de neve de intrigas que só tira a energia de quem protagoniza a confusão. A vida é como o céu cheio de estrelas tem espaço para todos brilharem! Não se impressione com o brilho da outra estrela, que você ofusca o seu.

5. Não envie nada errado

Tenha um revisor de português particular se for necessário. As informações e o português tem de ser impecáveis. Errar é humano, mas quando o assessor de imprensa erra é burrice.

6. Solucione, não confunda

Toda a notícia tem que ser completa até o batizado do papagaio do vizinho. O que? Quando? Como? Onde? São regrinhas básicas de informação que o seu conteúdo não pode deixar de ter. O bom assessor de imprensa tem que oferecer todas as informações disponíveis e corretas para o jornalista.

7. Presenteie, seja gentil, mas não constranja

Todo mundo gosta de ganhar um mimo, mas o assessor de imprensa, assim como os seus clientes, têm que ter a fineza de não deixarem constrangido ou acuado o comunicador com tantos presentes e bajulação. Só um jornalista muito inexperiente, ou bastante deslumbrado, para não perceber que o sucesso é a cadeira onde ele senta, e não ele próprio.

Por Mariana Bertolucci
M. Bertolucci Assessoria de Imprensa